Imagem capa - A grandeza dos primeiros instantes por Alan Vieira
Álbum de família

A grandeza dos primeiros instantes

São 13h47 de uma segunda-feira nublada. O tempo amanheceu quente, depois garoou um pouco e agora tem um vento forte batendo na janela da casa da minha mãe, em Penha. Eu vim até a minha cidade natal viver um dos dias mais intensos e o maior desafio da minha carreira até agora e preciso confessar que enquanto escrevo esse texto ainda sou tomado por toda a carga de emoção e adrenalina que senti pouquíssimas horas atrás.


Os responsáveis por esse dia (e a quem agradeço demais por me proporcionar uma experiência assim) são a Ana Luiza e o Gustavo. Há exatamente um ano eu estava acertando os detalhes do contrato de casamento deles. Logo depois, quando começamos a ver os preparativos para o ensaio de pré casamento, a Ana engravidou e preferiu fazer as fotos mais pra frente, mas por algum motivo nunca conseguíamos realizar essa sessão. Os dias em que marcávamos choviam ou tinham uma virada de tempo que não colaborava nem um pouco.



Hoje consigo ver com clareza a real razão das coisas terem ocorrido dessa maneira, é como se o universo estivesse nos falando: "ei, dá uma seguradinha aí. Nada do que vocês fizerem agora será tão incrível quanto o que estou reservando pra vocês no dia 29/01/2018". Sim, as coisas sempre acontecem por um propósito maior. E hoje eu vi (e senti na pele) a explicação disso tudo. E ela se chama Emília.









Como ficamos sem poder fotografar o ensaio e a Ana se aproximava cada vez mais do final da sua gestação, ela teve a ideia de fazer uma troca: saem as fotos do pré casamento e entram as de toda a família vibrando pela chegada da sua caçula (e isso incluiria o registro do momento exato em que a baby viria ao mundo). O médico responsável pelo nascimento seria o pai da Ana, o Dr Eros, o que me deixou ainda mais emocionado na hora de aceitar o desafio. Desafio porque é mais forte do que qualquer outro trabalho, envolve um senso de precisão muito maior do que os casamentos que fotografo há cinco anos e, acima de tudo, é algo que nunca presenciei antes. Poderia imaginar, pesquisar, estudar tudo o que aconteceria, mas eu sequer conseguiria descrever o que estava prestes a viver.



Estar frente a frente com a chegada de uma criança ao mundo é uma energia surreal. Enquanto clicava e me locomovia com cautela pela sala de parto, tudo o que eu conseguia pensar era o quão grato e especial me sinto por viver algo assim. Por ter um trabalho que me permite dias assim. Da tensão do Gustavo à maneira como o Dr Eros tratava a chegada da sua neta. Tudo que me cercava era uma atmosfera de amor, afeto, esperança. Foi algo inexplicável. E eu tenho aqui comigo o primeiro instante de vida da Emília nesse mundo. Seu primeiro choro, seu primeiro momento nas mãos de seu avô, a primeira vez que seus pais a viram. Eu não escondo as lágrimas de gratidão que sinto.















Que bom que o universo sabe do que faz. Que bom que a vida acontece da maneira que acontece. Porque depois dessa manhã eu me sinto ainda mais em sintonia com o meu propósito. Ainda mais próximo do que acredito. Ainda mais fiel ao meu trabalho e às pessoas que depositam em mim todo seu respeito e confiança para dar vida àquilo que nos dá vida. Assim como Dr Eros foi encarregado pelo nascimento da sua neta, eu fui responsável por materializar as lembranças do dia mais importante das suas vidas. Essas lembranças começam a contar a história da pequena Emília, a quem eu já sinto um carinho enorme. E essa história começa aqui e é contada a partir de cada uma das fotos que compõem esse post.



Com todo amor, olhar e sensibilidade de um fotógrafo muito realizado.